regional

Pernambuco espera vacinar 938 mil crianças e adolescentes contra o vírus HPV

Pernambuco espera vacinar 938 mil crianças e adolescentes contra o vírus HPV

Expectativa é imunizar 403 mil meninas e 535 mil meninos no Estado contra o vírus HPV, que pode provocar alguns tipos de câncer

O Ministério da Saúde (MS) fez uma nova convocatória para a vacinação de crianças e adolescentes contra o HPV, vírus que pode levar a alguns tipos de câncer, como os de colo uterino, garganta e pênis. A chamada foi nacional. No País, estima-se que 20,6 milhões de adolescentes deveriam se vacinar. A cobertura de imunização da segunda dose está em 41,8% para meninas e 13% para meninos, percentual considerado baixo. O imunizante só tem eficácia completa com duas doses administradas com intervalo de seis meses. Em Pernambuco, a expectativa é vacinar 403,6 mil meninas de 9 a 14 anos e 534,9 mil meninos de 11 a 14 anos este ano.

Segundo o Ministério da Saúde, de 2013 a 2018, 75,8% das meninas pernambucanas com idades 9 a 14 anos tomaram a primeira vacina contra o HPV, mas o índice cai drasticamente quando se contabiliza a dose de reforço: 47,6%. Entre os meninos a situação ainda é pior. Apenas 34,1% foram imunizados na primeira etapa e 11,6% receberam a segunda dose, entre 2017 e 2018, quando a proteção foi incluída no calendário vacinal dos meninos.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) no Recife, Elizabeth Azoubel, comentou que, desde que foi instituída a rotina do HPV no esquema vacinal, há uma luta para convencer a população adulta a vacinar os filhos. “Houve uma reação psicogênica contra a vacina. Ou seja: se uma pessoa diz que passou mal após a vacina, outras começam a dizer o mesmo. É uma reação em cadeia. O adolescente é muito sugestionado e procuram muito sobre o assunto na internet, que está cheio de grupos antivacina que só falam coisas negativas sobre ela”, comentou.

Elizabeth destacou que o imunizante contra o HPV é seguro e aplicado sem intercorrência em várias partes do mundo. Ela ainda comentou que alguns pais negam a vacina aos filhos porque acreditam que isso vai antecipar a vida sexual de crianças e adolescentes, o que é um uma visão enviesada dos benefícios à saúde. “Tudo isso contribui para os índices baixos. Ela é uma vacina caríssima, custa cerca de R$ 450 na rede privada. O adolescente iniciando a imunização cedo é melhor, porque há uma resposta maior da vacina”, explicou.

A coordenadora do PNI ainda destacou que essa é a segunda chamada nacional feita pelo MS para a vacina, em 2018. A primeira foi em março. Agora, seis meses depois da primeira dose o alerta maior é para o reforço. Contudo as crianças e adolescentes que ainda não tomaram a primeira dose ainda podem ser imunizadas. O público escolhido para essa proteção gratuita no SES são as meninas de 9 a 14 anos e os meninos de 11 a 14 anos.


Com informações da Folha/PE

Leia mais notícias em belmontediario.com.br, siga nossas páginas no Facebook e no Twitter . Você também pode enviar informações à Redação do BelmonteDIÁRIO por email envienoticias@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9958-0208 | 9 9102-0292.

Você pode gostar também: