‘É possível que nós tenhamos uma aceleração da epidemia’, diz secretário de saúde sobre primeiro trimestre de 2021

Pernambuco proíbe som em bares e restaurantes a partir desta sexta-feira (15)

‘Isso poderá acontecer, sim, esta é até uma previsão de que isto pode acontecer. Mas será tão intenso quanto for o descumprimento das normas sanitárias’, afirmou André Longo. No entanto, estado não anunciou medidas restritivas.

“Não chegando a vacina nos primeiros três meses de 2021, é possível que nós tenhamos uma aceleração da epidemia na sazonalidade que se começa no final de fevereiro para março. A gente precisa preparar, e obviamente isso vai depender muito do comportamento social que nós adotarmos nos próximos dias”, disse, nesta terça-feira (22), o secretário estadual de Saúde de Pernambuco, André Longo, sobre o cenário da Covid-19 no estado

O pronunciamento, transmitido pela internet, foi feito junto com os secretários de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, e de Defesa Social, Antônio de Pádua. Sem anunciar medidas restritivas, Longo disse que há uma previsão de um “cenário de maior gravidade” no primeiro trimestre de 2021.

“É preciso que todos se conscientizem desse momento e que a gente possa trabalhar hoje, nos próximos dias, nas próximas semanas, para evitar um cenário de maior gravidade no primeiro trimestre de 2021. Isso poderá acontecer, sim, esta é até uma previsão de que isto pode acontecer. Mas será tão intenso quanto for o descumprimento das normas sanitárias”, afirmou o secretário.

Apesar de André Longo prever a alta no número de casos no estado, não há expectativa de fechamento de praias durante o ano novo, mesmo com o cancelamento das festas públicas e privadas, de acordo com Antônio de Pádua.

“Desde o meio do ano, o controle urbano das praias é de responsabilidade das prefeituras municipais. A depender da situação, o governo do estado pode proporcionar uma segunda resposta. Mas a princípio não há nenhuma orientação ou nenhuma sinalização de fechamento de praias para as festas de final de ano”, disse Pádua.

De acordo com o secretário Pedro Eurico, há um planejamento de punições mais severas e de aumento da fiscalização de atividades que descumprem os protocolos sanitários contra a Covid-19. Atualmente, as multas vão de R$ 1 a R$ 100 mil. “Sendo necessário, a gente pode ampliar esse valor. As pessoas não podem achar que podem tudo”, disse.

Nos últimos 60 dias, segundo Pedro Eurico, foram feitas fiscalizações em 212 estabelecimentos comerciais e de lazer. Desses, 17 foram interditados e dois foram reincidentes, ou seja, depois de estabelecida a multa, voltaram a reabrir.

“Um foi fechado no fim de semana passado e não vai reabrir mais. As pessoas têm que entender que o governo tem todo interesse de que o lazer, as atividades lúdicas e de descanso funcionem. O que não pode ser é se colocar em risco a vida das pessoas”, afirmou o secretário de Justiça e Direitos Humanos.

“A gente observou que agora em novembro, especialmente em dezembro, tem aumentado o número de pessoas frequentando os bares, restaurantes, e muitas vezes essas festas e eventos onde não tem permissão para essa aglomeração em razão da pandemia. Essas fiscalizações têm sido intensificadas”, disse Pádua.

Somente em dezembro, segundo o secretário, o Corpo de Bombeiros fez 485 fiscalizações em estabelecimentos. Também houve 451 abordagens policiais e 117 estabelecimentos notificados pelo Corpo de Bombeiros.

A SDS contabilizou, ainda, 45 estabelecimentos interditados. Também houve registro de 18 pessoas conduzidas à delegacia por recusa ao cumprimento de medidas sanitárias.

Coronavírus em Pernambuco

Foram confirmados, nesta terça-feira (22), 1.946 novos casos e 16 mortes por Covid-19 em Pernambuco. Com esse acréscimo, o estado ultrapassou as 210 mil confirmações de pacientes, totalizando 210.081 pessoas que receberam o diagnóstico da doença, além de 9.459 que foram infectadas pelo novo coronavírus e perderam a vida. A contagem começou em 12 de março

Com informações de G1 PE